Introdução:

Os tumores para-testiculares são raros, sendo o adenomatóide o mais comum dentre os benignos, podendo acomete o epidídimo, testículos, túnica vaginal e o cordão espermático, além de outros órgãos. É de origem mesotelial e identificado ao redor da terceira década de vida. Pode apresenta-se como uma massa testicular inferior a 5 centímetros com células epiteliais constituídas por vacúolos e estroma fibroso de evolução normalmente benigna que acaba recebendo tratamento cirúrgico.

RELATO DE CASO:

Sexo masculino, 20 anos, procurou atendimento médico devido crescimento anormal do testículo direito há 5 (cinco) meses. Negou tabagismo, emagrecimento e patologia pregressa. Sem fatores de risco para câncer de testículo.

Ao exame físico: hemibolsa escrotal direita de tamanho aumentado, com massa multinodular em topografia de epidídimo direito, de consistência fibroelástica, indolor a palpação.

Ultrassonografia bolsa escrotal: Testículos de forma e contornos definidos com textura geral preservada. Epidídimo direito espessado e heterogêneo apresentando nódulos hipoecóicos em toda sua extensão medindo o maior 21 x 14 mm. Tu adenomatóide de epidídimo? Epidídimo esquerdo sem alterações. Pequena hidrocele à direita. Medidas: TD: 42 x 21 x 28 mm TE: 44 x 20 x 32 mm.

Em seguida foi submetido a tratamento cirúrgico (Epididimectomia total à direita com preservação de testículo e via espermática à direita) e enviado peça cirúrgica para análise anatomopatológica revelando anexo testicular com lesão proliferativa benigna de perfil morfológico e imunohistoquímico compatível com pseudotumor fibroso (Tumor adenomatóide de epidídimo), estando às margens cirúrgicas livres de lesões.

As figuras 1 e 2 posteriormente, demonstram a peça cirúrgica retirada, e a figura 3 demonstra a imagem do exame anatomopatológico.

Figura 3

Figura 3. Proliferação de células fusiformes, uniformes, com citoplasma eosinofílico e núcleos regulares, pequenos, ovóides, normocrômicos em meio a estroma fibroso, colagenizado.

DISCUSSÃO:

O Tumor do Epidídimo é um tipo de neoplasia paratesticular rara com incidência aproximada em 5% dos tumores escrotais. Geralmente são menores que dois a cinco centímetros com localização mais prevalente na cauda do epidídimo1, 2. Suas características macroscópicas mostram que geralmente são unilaterais, podendo chegar a cinco centímetros. Existem outros locais que também podem ser acometidos pelos tumores paratesticulares, tais como, túnica albugínea, cordão espermático, ducto ejaculatório e parênquima testicular. Além destes, existem tumores adenomatóides localizados em trompas de falópio, ovário, pleura, supra-renal e fígado3, 4.

Existe relato de que a neoplasia extratesticular é mais comumente encontrada no cordão espermático e quando falamos de malignidade encontramos apenas 30% dos casos, sendo deste, 90% são sarcomas. Dentre todos os sarcomas apenas 10% são leiomiosarcomas5.

Existem teorias para explicar sua formação, sendo a mais aceita, é a formação de um tecido anormal a partir de uma do tecido mesotelial, que através de microscopia eletrônica evidenciou células semelhantes às de mesotélio normal. Outros autores afirmam que o processo é decorrente de afecções inflamatórias4.

A grande maioria possui comportamento benigno, podendo chegar a 80% dos casos, sendo destes, o adenoma o mais prevalente. Apesar disso, encontram-se casos de tumores malignos, podendo chegar em 25% dos casos, sendo o mais prevalente os sarcomas com 44% dos casos de malignidade4.

Dentre os exames complementares utilizados, podemos citar o ultrassom, que pode ajudar na exclusão de lesões císticas, na localização (intratesticular ou extratesticular), e o exame histopatológico para se confirmar o tumor paratesticular, sendo mais diagnosticado entre os 30 e 50 anos de vida2, 4, 6, 7.

Apresenta-se clinicamente como uma massa sólida e firme, predominante do lado esquerdo, bem definida, que cresce de forma lenta, não encapsulada, de coloração branca ou rósea, que na maioria das vezes indolor, e por isso, o doente descobre de forma acidental, podendo estar associada à hidrocele3, 4.

O tumor adenomatóide em sua forma microscópica mostra células mesoteliais eosinofílicas que formam cordões sólidos e túbulos dilatados sugerindo inicialmente aparência endotelial8. Também fazem parte de suas características histológicas espaços irregulares rodeados de células epiteliais planas e cúbicas juntamente de estroma, colágeno e fibras musculares9.

Sua característica imunohistoquímica reforça sua origem de células mesoteliais devido há uma ausência de marcadores epiteliais / carcinoma MOC-31, Ber-Ep4, CEA, B72.3, LEA 135 e Leu M1, e também o fator VIII e CD346.

O tratamento proposto é a retirada do tumor de forma cirúrgica com biópsia no momento intraoperatório a fim de prevenir uma exequível castração6, 7.

A quimioterapia adjuvante não é bem estabelecida. Em adultos não apresentam resultados convincentes, entretanto, crianças com rabdomiossarcoma que terão efeito significativo na sobrevida poderão se beneficiar desta terapêutica10.

CONCLUSÃO:

Os tumores adenomatóides são neoplasias benignas, pouco frequentes, de origem mesotelial. Como consequência de sua natureza benigna, o tratamento de eleição é a exérese do tumor.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. Nardi AC, et al. Urologia Brasil: Planmark 2013; 78:719-722.
  2. Wein AJ, et al. Walsh Urology. 10th ed. Philadelphia: Elsevier Saunders 2012; 31:837-870.
  3. Kontos,S.; et al. Adenomatoid tumour of the epididymis: a case report. Cases Journal 2008, l:206.
  4. Resina, RG; et al. Tumor adenomatoide paratesticular: una serie de nueve casos.Actas Urol Esp [online]. 2010, vol.34, n.1, pp. 95-100. ISSN 0210-4806.
  5. Maestro, MA; et al. Tumor adenomatoide de epidídimo e intratesticular: a propósito de nueve casos clínicos y revisión de la literatura. Arch. Esp. Urol. [online]. 2009, vol.62, n.2, pp. 137-141. ISSN 0004-0614.
  6. Lopes, RI; Leite, KR; Lopes, RN. Paratesticular Leiomyosarcoma Treated by Enucleation. Int Braz J Urol. 2006; 32: 66-7.
  7. Perez, RP; et al. Tumor adenomatoide del epidídimo: una infrecuente observación.Arch. Esp. Urol. [online]. 2009, vol.62, n.8, pp. 656-660. ISSN 0004-0614.
  8. Atti, LD; Ultrasound diagnosis of unusual extratesticular mass: Case report and review of the literature. Archivio Italiano di Urologia e Andrologia. 2013;85(1):41-3
  9. Eble J, Sauter G, Epstein J and Sesterhenn I. Tumours of the testis and paratesticular tissue. En Tumours of the urinary system and male genital organs. Lyon France. WHO IARC press; 2004; 267-273.
  10. Moyano, CJL; et al. Tumor adenomatoide de epidídimo. Actas Urol Esp. 2007;31(4):417-419.
  11. ASTIGUETA PEREZ, Juan C. et al. Sarcomas paratesticulares en el paciente adulto: Manejo y evolución de la enfermedad. Actas Urol Esp [online]. 2009, vol.33, n.6, pp. 639-645. ISSN 0210-4806.